Evento APDC

07.07
Conferência



Predictions & Broadband Summit

Países e sectores em mudança

De acordo com a pesquisa, a crise financeira e as transformações que se estão a operar no campo da tecnologia vão alterar não só os sectores de actividade - telecomunicações, media e tecnologias - como também os hábitos de consumo. Isto tendo por base os dados compilados após as entrevistas realizadas entre Janeiro e Junho deste ano junto de 45 empresas a operar em Portugal.
TELECOMUNICAÇÕES
Nas telecomunicações, os responsáveis pelo estudo garantem que o sector vai conseguir resistir aos efeitos negativos da crise. Com efeito, 78% dos operadores acreditam que o negócio irá crescer ao longo deste ano, subindo para 89% quando questionados sobre as expectativas para 2010. Isto apesar do indicador de confiança dos consumidores, em Março 2009, ter atingido o nível mais baixo desde 1986.
Os operadores têm vindo a implementar estratégias de combate à crise. Nomeadamente através de programas de redução de custos e optimização do cash; do aumento do cross-selling para melhorar a fidelização as receitas médias por utilizador; da aposta em pacotes (mais serviços ao mesmo preço); e do aumento da pressão no preços para PME e SOHO. Neste sector, prevê-se ainda o aumento do peso e da importância do conhecimento do cliente junto das empresas, o abrandamento do declínio dos serviços fixos, a alteração dos comportamentos dos consumidores e da própria indústria com o advento das Redes de Nova Geração; o incremento do consumo de dados impulsionado pelas novas ofertas de acesso de banda larga a 100 Mbps e o agudizar da pressão exercida sobre o regulador sectorial.
SECTOR DOS MEDIA 
No que toca aos Media, o ‘TMT Predictions Portugal' garante que está a viver um ano complicado, em resultado das quebras sentidas no mercado publicitário, que ascende aos 20%. Para fazer face a isto, as empresas estão a reestruturar-se, quer através da adopção de políticas de corte de custos, quer da transformação das próprias organizações, nomeadamente com mudanças estruturais e optimização de recursos. Em alguns casos, está mesmo a registar-se uma racionalização do portefólio das marcas (aqui, os jornais gratuitos deverão vir a ser o mais afectados).
Entre as empresas de Media que melhor têm resistido à crise económica e financeira encontram-se as que operam na área da televisão paga. Com efeito, na TV por subscrição o mercado publicitário e o número de subscritores continuam a aumentar. E mesmo entre estás, as que melhor resistem são aquelas que apostam numa perspectiva publicitária e comercial integrada. O negócio da Internet é, juntamente com a TV paga, outro dos sectores que mais acredita numa evolução positiva do negócio para 2009 e 2010.
SECTOR TECNOLÓGICO 
Quanto ao sector tecnológico, o estudo considera que o negócio da televisão será reinventado. De facto, ao mesmo tempo que o tamanho dos equipamentos tende a aumentar, crescerá igualmente o número de ligações que as televisões terão com outros equipamentos. Isto incrementará ainda o grau de interactividade do pequeno ecrã com outros meios de distribuição de conteúdos.
A introdução da televisão digital terrestre ditará também um aumento da interactividade, esperando-se que ela venha a ocupar um papel cada vez mais central no ambiente familiar. Todavia, alertam os autores do estudo, será necessário fazer algum trabalho nas redes locais (dentro dos lares), pois estás ainda não estão preparadas para fazer ao incremento da complexidade dos equipamentos e das ligações. Este é, garantem, um dos principais desafios para os próximos anos.
Por outro lado, a redução da confiança do consumidor tem vindo a afectar a aquisição de bens de consumo com preço elevado. É por isso que é de esperar uma aposta na criação de pacotes (produtos e serviços) e na subsidiação de produtos e equipamentos, considerados como um meio para estimular um mercado estagnado. A subsidiação de produtos, garantem, será também um factor relevante de retenção de clientes.
O "TMT Predictions Portugal 2009/2010" reúne as tendências identificadas pelos principais players destes três sectores em Portugal. Foram realizados mais de cinco mil inquéritos, participaram 45 empresas e realizaram-se mais de 25 reuniões presenciais.


Programa


Vai acontecer na APDC

2017-05-17

CEO da Vodafone inicia Ciclo de 2017

2017-05-23

Realiza-se a 26 de maio, no CCB