55 multinacionais europeias pedem novas regras da concorrência

2019-10-08 Um grupo de 55 gigantes europeus, onde se incluem a Vodafone, Siemens, Orange e Philips, exigiram publicamente da Comissão Europeia políticas mais inteligentes, que criem uma dinâmica de concorrência a nível global e se adaptem a um mercado em rápida mudança. Entendem que a legislação europeia atual em termos de concorrência está a travar a sua competitividade face às gigantes mundiais, com destaque para os Estados Unidos e China.

Denominado European Round Table of Industrialists (ERTI), este grupo dos CEO das maiores empresas europeias integra ainda nomes como a Iberdrola, Inditex, L’Oréal, Heineken, Volvo, Philips e Renault. Acabam de apresentar um apelo público a Bruxelas, defendendo que as regras da concorrência estão a travar a sua competitividade a nível global.

Citam ainda o crescente domínio dos Estados Unidos e China no mercado global, e consideram que há uma alteração em particular que foi muito negativa: a decisão de que, para além da Concorrência em Bruxelas, também o Conselho (ou seja, os Estados-membros) devem aprovar futuras operações. "Não estamos convencidos que um maior peso político nas decisões de concorrência seja positivo", diz o ERTI.

As recomendações passam por "alinhar a supervisão da concorrência com as exigências da economia digital" e por criar maior agilidade no processo de aprovação de operações. Os casos de colaboração em situação de concorrência devem ser também acautelados com uma maior segurança jurídica.

Fortuna pessoal já ultrapassa os 100 mil milhões de dólares


Por temer reforço da posição na publicidade online da tecnológica


Foi a única fabricante a subir vendas dos smartphones


Gigante prepara operação para a maior procura até final do ano


Gigante tem 3,14 mil milhões de utilizadores mensais nas suas plataformas


Apesar das vendas terem recuado pela 1ª vez em 16 anos


Tecnológica fatura 128 milhões de euros anualmente


Depois de Donald Trump ter admitido proibir a operação da rede social no país


Big tech foram inquiridas sobre as suas práticas no mercado