CEO’s da Amazon, Apple, Facebook e Google no Congresso dos EUA

2020-07-31 Os líderes da Amazon, Apple, Facebook e Google foram ouvidos esta semana no Congresso norte-americano, na sequência da investigação antitrust da Federal Trade Comission (FTC), para testemunhar sobre as práticas dos seus grupos no mercado. E os congressistas destacaram padrões de comportamento similares na forma como controlam a distribuição de bens e serviços, como monitorizam a concorrência e como usam a sua posição dominante para ganhar vantagem no mercado.

"Apesar das quatro empresas apresentarem diferenças significativas entre si, temos vindo a observar padrões em comum e problemas a nível de concorrência ao longo da nossa investigação", sublinhou David Cicilline, presidente da subcomissão antitrust da Câmara dos Representantes.

Jeff Bezos (Amazon), Tim Cook (Apple), Mark Zuckerberg (Facebook), e Sundar Pichai (Alphabet/Google) estiveram mais de cinco horas a serem questionados, depois de ouvirem dos congressistas que "têm demasiado poder".

No final, David Cicilline, presidente do Comité Judiciário da Câmara dos Representantes, considerou não ter dúvidas de que as quatro empresas têm táticas monopolistas e abusam das respetivas tecnologias: "Fazem o que podem para acabar com os negócios mais pequenos. Apesar de terem criado produtos inovadores, a sua posição no mercado está a matar negócios mais pequenos e, em muitas casos, não há alternativas. Isto tem de acabar e vamos propor soluções".

Bruxelas prepara pacote para o setor financeiro


Inspirado nos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU


Presidente rotativo garante que grupo vai continuar a investir


Para trazer para o mercado arquiteturas e serviços de última geração


Nova área promete criar modelo rápido de migração para a cloud


Bruxelas quer tornar todas as aplicações públicas mais acessíveis em 2021


Lei dos Serviços Digitais deverá ser anunciada até final do ano


De acordo com estudo publicado pela CE sobre o potencial da transformação para a economia


Bruxelas quer mais investimentos e mais coordenação na Europa


Se avançar decisão a proibir a transferência de dados para os EUA