Cisco promove estudo para comemorar 30 anos da WWW

2019-03-12 Melhor acesso à educação e à saúde são as maiores ambições para os próximos 30 anos da Web, do ponto de vista dos seus utilizadores. Entre os principais benefícios da internet até ao momento destacam-se conectar as pessoas, comunicação otimizada e capacidade de permitir novas formas de aprendizagem. Estas são algumas das conclusões de um estudo da Cisco, realizado para assinalar o 30º Aniversário da World Wide Web.

Neste estudo, mais de 11 mil inquiridos de 13 países da Europa, Médio Oriente e África partilharam as possibilidades que a Internet lhes proporcionou até à data e o que esperam que fará para as gerações futuras.

Enquanto a Internet ofereceu muitos “primeiros”, desde o primeiro website (info.cern.ch – 1990) e a primeira encomenda online de comida para levar (pizza – 1994), para a primeira conexão à internet no espaço (Cisco – 2010), a ambição das pessoas para o futuro da Internet destaca na maioria o que pode permitir à sociedade. Como possibilitar um “melhor acesso à educação”, uma das ambições principais na lista dos inquiridos para o futuro da Internet (63%), seguido de permitir um “melhor acesso à saúde” (57%). Os resultados demonstram o impacto enorme que a World Wide Web, como a maior aplicação da Internet, teve na conexão das pessoas e informação, ao longo dos últimos 30 anos.

Nos últimos 30 anos, o primeiro aspeto que a Internet tornou possível para os consumidores foi “manter-se atualizado e informado” (74%), seguido do “entretenimento” (71%) e o facto de poderem “manter contacto com a família e amigos” (70%). A indústria de entretenimento (39%) é vista como a principal beneficiária dos avanços tecnológicos até ao momento, seguida da indústria financeira (31%).

Já para os próximos 30 anos, o “melhor acesso à educação” surge como a principal resposta que os inquiridos querem que a internet torne possível (63%) seguido de melhor acesso à saúde (57%). Quando questionados sobre que indústrias irão beneficiar mais dos avanços tecnológicos, a escolha de topo foi saúde (34%), seguida da educação (32%).
“Conectar as pessoas” (39%), “comunicação otimizada” (35%), e “novas formas de aprendizagem” (35%) são consideradas as três formas principais em que a web beneficiou a sociedade até à data. Mais de um terço (39%) das pessoas não conseguem imaginar a sua vida pessoal sem a internet.

“Vivemos num mundo híper-conectado. Até 2022, vamos poder ver mais fluxos de tráfego que atravessam as redes globais do que em toda a história da internet combinada. Este tráfego vem de todos nós, e cada vez mais, os nossos equipamentos. O estudo demonstra o impacto que a World Wide Web e a Internet tiveram nas nossas vidas, e o que as pessoas esperam para o futuro. Para alcançar esse potencial, as organizações – quer seja em saúde, educação, ou qualquer outra indústria – devem ter a capacidade de compreender o poder das conexões e extrair de forma segura o valor delas. Além disso, precisam de gerir a complexidade que vem com a explosão de conectar as pessoas espaços, ideias e aspetos ao longo da rede,” refere Wendy Mars, Presidente da Cisco EMEAR.

Recorde-se que foi a 11 de março de 1989 que o ‘pai da internet’, o engenheiro de software Tim Berners-Lee apresentou uma sugestão para melhorar a partilha de informação entre os colegas do CERN, um laboratório de física nuclear na Suíça. A proposta foi aceite. Começando a desenvolver-se a linguagem HTML, a aplicação HTTP e a World Wide Web. Em 1991, os servidores externos da Web estavam já em pleno funcionamento.

Fortuna pessoal já ultrapassa os 100 mil milhões de dólares


Por temer reforço da posição na publicidade online da tecnológica


Foi a única fabricante a subir vendas dos smartphones


Gigante prepara operação para a maior procura até final do ano


Gigante tem 3,14 mil milhões de utilizadores mensais nas suas plataformas


Apesar das vendas terem recuado pela 1ª vez em 16 anos


Tecnológica fatura 128 milhões de euros anualmente


Depois de Donald Trump ter admitido proibir a operação da rede social no país


Big tech foram inquiridas sobre as suas práticas no mercado