Digitalização traz mobilidade personalizada e sustentável

2019-01-10 As tecnologias digitais, como a IA, cloud, big data, IoT ou machine learning, vão marcar o futuro da mobilidade, que será personalizada, integrada, segura e sustentável, com importantes vantagens para os utilizadores, gestores, operadores e Administração Pública. Com a redução dos custos, será possível redimensionar rotas, e a condução automóvel será mais segura e terá um menor impacto no meio-ambiente, entre outros aspetos. As conclusões são do Relatório sobre Tendências do Sector dos Transportes, da Indra

De acordo com este trabalho, tecnologias como a Inteligência artificial, cloud, big data, IoT, realidade aumentada ou machine learning permitirão desenvolvimentos como a mobilidade como serviço (MaaS), assim como a intermodalidade, a condução autónoma ou a manutenção preditiva, que são consideradas fatores-chave na mobilidade de futuro.

Neste relatório, a Indra analisa o ambiente geopolítico, regulador, social, organizacional e tecnológico do sector, assim como os principais desafios e objetivos que em matéria de mobilidade ambicionam os diferentes protagonistas desta transformação. O trabalho foi feito com base numa análise profunda para configurar a sua nova oferta para a área de Transportes. O conhecimento que a empresa tem do setor e das tecnologias assim como as suas capacidades digitais foram fundamentais para a elaboração deste relatório, que inclui ainda um conjunto de entrevistas realizadas a entidades relevantes do sector dos transportes e da mobilidade.

O relatório apresenta com detalhe como as tecnologias digitais são a base das novas soluções de mobilidade que estão a transformar, e vão transformar cada vez mais, o sector para dar resposta aos novos desafios.
De acordo com o relatório da Indra, os utilizadores querem ter o controlo das suas viagens e em breve poderão usufruir de um transporte sem barreiras tecnológicas, assistido com informação em tempo real, adaptado às suas preferências e necessidades em cada momento, optimizado e com custos mais reduzidos.

Esta transformação será possível graças às tecnologias que permitem uma economia partilhada, o big data e as soluções para a intermodalidade urbana e interurbana. Por exemplo, a partir de uma única aplicação, o utilizador poderá configurar o seu perfil, escolher os seus vários meios de transporte, aceder a cada um deles indistintamente e pagar no fim do mês em função da utilização que tenha feito, para além de poder receber “prémios” pela utilização de opções mais sustentáveis.

Em relação aos operadores de transporte, esta nova realidade vai permitir uma gestão mais inteligente, intermodal e otimizada dos seus serviços.  Os operadores de autocarros, metro ou comboios terão um sistema de gestão integrado de rotas, centralizado e conectado com informação dos passageiros e do tráfego, onde o machine learning e o big data permitirão redimensionar as rotas em tempo real ou gerar rotas à medida para utilizadores de outros meios de transporte.

Em relação aos gestores de tráfego e concessionárias de autoestradas, o relatório da Indra refere que irão evoluir para um modelo de mobilidade como serviço (MaaS) para os automobilistas, que incluirá soluções de acesso a determinadas vias ou taxação modulável e pagamento em tempo real em função das condições da estrada, o dia ou hora, a ocupação, etc. Para além disto, o veículo conectado e/ou autónomo, que tem evoluído com o IoT e as novas comunicações móveis seguras, mudará radicalmente a experiência do utilizador nas suas viagens em autoestrada, com acesso à máxima informação e assistência para uma condução mais segura e, inclusivamente, a conteúdos de lazer ou de outro tipo.

A otimização de custos na manutenção das infraestruturas, a rastreabilidade das mercadorias, a otimização da denominada “última milha” e a entrega final, são para a Indra os principais desafios para os proprietários das infraestruturas e os operadores logísticos, respetivamente. Estes últimos terão plataformas de gestão integrada de mercadorias com rastreabilidade total, assente em blockchain e smart contracts, conectadas com dados de tráfego em tempo real que facilitam a distribuição com um menor impacto ambiental e otimizam o carregamento em comboios e camiões.

De acordo com o relatório, a manutenção das infraestruturas de transporte será cada vez mais preditiva, partindo do próprio desenho da infraestrutura em BIM (Building Information Model), até à recopilação de dados relevantes através de big data para estabelecer indicadores e padrões que, suportados por inteligência artificial, facilitem a tomada de decisões. A revisão através de veículos não tripulados (UAVs) e o uso da realidade aumentada para a formação de técnicos e assistência remota em reparações delicadas também vão transformar estes serviços.

Este relatório é resultado de uma profunda análise que a Indra levou a cabo para configurar a sua inovadora oferta para o sector, a Indra Mova Solutions, e reflete a experiencia da empresa em alguns dos projetos e iniciativas de inovação mais relevantes do sector à escala mundial. A Indra Mova Solutions combina as novas capacidades digitais, de integração, especialização e inovação, que o mercado procura, com a fiabilidade, o conhecimento do negócio, a tecnologia própria da Indra para os transportes e a experiência única da sua equipa de profissionais. Com um portfólio de soluções end-to-end, a Mova Solutions cobre todo o ciclo de vida dos projetos de transportes e permite que a Indra lidere a criação da mobilidade do futuro, impulsada pelo novo entorno digital e com o objetivo de tornar mais fácil, cómoda e segura a vida das pessoas.
 

2019-06-26 | Atualidade Nacional

Por determinação do regulador das comunicações


2019-06-17 | Atualidade Nacional

No decurso do MOCHE XL Esports by Huawei


Oferta de 3,6 mil milhões de euros é amigável


Para promover colaboração com a indústria e estabelecer padrões comuns


2019-06-26 | Breves do Sector

Dedicado ao tema “Purpose is the New Digital”


2019-06-26 | Breves do Sector

Localidade alentejana passa a ter cobertura de 100% a alta velocidade