Facebook avança com processo contra concorrência europeia

2020-07-29 A gigante Facebook processou as instâncias europeias da concorrência, que acusa de pedirem muito mais informação do que a necessária, incluindo dados que são pessoais, quando está com processos de investigação da maior rede social do mundo. O grupo de Mark Zuckerberg tem estado desde o ano passado a ser investigado pela CE sobre a forma como gere os dados que obtém dos utilizadores das várias plataformas que detém (Facebook, Instagram e WhatsApp) e como gere o seu marketplace, onde cerca de 800 milhões de utilizadores em 70 países compram e vendem artigos.

De acordo com dados da gigante, desde o arranque das investigações que já entregou à CE cerca de 1,7 milhões de páginas de 315 mil documentos diferentes. Sendo que são "predominantemente irrelevantes" e nada têm a ver com as investigações em curso. Em causa estão "informações pessoais altamente sensíveis, como informações médicas dos funcionários, documentos financeiros pessoais e informações privadas sobre familiares de funcionários", como avançou em comunicado Timothy Lamb, conselheiro geral do Facebook, divulgado pela Reuters.

Além das duas investigações que interpôs contra a Comissão Europeia, o Facebook também está a tentar ativar algumas medidas provisórias no Tribunal Geral do Luxemburgo, para que o acesso aos dados seja suspenso, pelo menos até que haja uma decisão dos tribunais.
"Acreditamos que os pedidos em questão devem ser revistos pelos tribunais europeus", sublinha Timothy Lamb.


Na sequência da guerra comercial entre Pequim e Washington


Associando-se aos governos africanos para gerir programas de vacinação em larga escala


Já enviou as notificações às gigantes americanas


Para criar um verdadeiro mercado único confiável


Liang Hua, chairman da Huawei, será keynote speaker da edição online


Subnsidiária portuguesa passa a comprar eletricidade de fontes renováveis a 100% em 2021


Bruxelas deveria criar ferramentas de intervenção eficazes


Considera que Governo e regulador deveriam apoiar players atuais


Bruxelas quer envolver todos os parceiros públicos e privados