Facebook terá vendido dados pessoais dos utilizadores a outras plataformas

2018-12-06 Há mais um escândalo em torno do Facebook. A maior rede social do mundo terá tentado negociar o acesso especial aos dados privados dos seus utilizadores a plataformas como a Netflix, Airbnb ou Lyft (partilha de carros). Há 250 documentos confidenciais divulgados pelo Parlamento britânico que o mostram, como revela o The New York Times.

Os documentos e e-mails internos mostram que a empresa de Zuckerberg chegou mesmo a acordo com algumas empresas para negociar o acesso à informação, favorecendo umas em detrimento de outras. Com base nos documentos divulgados pelos deputados britânicos, o jornal diz que entre 2012 e 2015, a empresa fez acordos com empresas específicas, como a Netflix, o Airbnb ou a Lyft, para lhes dar acesso a dados. O que terá acontecido depois de a empresa ter mudado a política de privacidade que restringiu o acesso aos dados dos utilizadores pelas empresas.

Mais, os documentos, divulgados pela comissão parlamentar britânica do digital, cultura, media e desporto que está a investigar as práticas da rede social sobre fake news, mostram que a gigante debateu a possibilidade de dar acesso preferencial a clientes que mais dinheiro gastavam em publicidade, mais de 250 mil dólares anuais, e de vedar o acesso a empresas que via como concorrentes diretas.

Estes documentos tinham sido classificados como confidenciais por um tribunal da Califórnia num processo que envolve outra empresa, a Six4Three, cujo fundador dessa empresa, Ted Kramar, já admitiu ter dado os documentos aos deputados britânicos O presidente da comissão britânica defendeu, entretanto, o “interesse público considerável na divulgação destes documentos”, que levantam questões importantes sobre a forma como o Facebook #trata os dados dos utilizadores, as políticas que tem para trabalhar com os developers de aplicações, e como exerce a sua posição dominante no mercado das redes sociais”.

O Facebook já assegurou que nunca vendeu dados e que os documentos mostram apenas uma parte da história, que é apresentada de uma forma enganadora, sem dar contexto adicional. “Como qualquer negócio, tivemos muitas conversas internas sobre várias formas de como podíamos construir um modelo de negócio sustentável para a nossa plataforma”, refere.

A Bloomberg também refere que um email de 2013 revela que o fundador do Facebook ordenou o bloqueio do acesso do Twitter, através do Vine, à funcionalidade que permite encontrar os amigos do Facebook nesta rede. E que terá tornado mais difícil saber o que muda nas atualizações da sua aplicação no Android, para conseguir ter dados sobre o histórico das chamadas ou as SMS enviadas pelos utilizadores.
 

IDC antevê recuperação em 2021 com oferta do 5G


Empresa especializada em Amazon Web Services


Para ganhar maior agilidade na resposta ao mercado


Para dar resposta às novas tendências de digitalização


Papel dos governos, empresas e cidadãos também é fundamental


Three Sweden arranca em junho e Telenor até final do ano