Huawei passa a liderar mercado mundial de smartphones no 2º trimestre

2020-07-30 É um marco histórico para a marca chinesa: pela primeira vez, a Huawei é a líder mundial do mercado de smartphones, ultrapassando a concorrente Samsung. A conclusão é do mais recente relatório da Canalys para o segundo trimestre do ano, que mostra ainda que as duas gigantes foram afetados negativamente pelos impactos da pandemia, embora em dimensões totalmente distintas.

Assim, a Huawei viu as suas vendas de smartphones caírem 5%, para 55,8 milhões de unidades, enquanto a Samsung recuou no trimestre 30%, para um total de 53,7 milhões de equipamentos, perdendo desta forma a liderança do mercado mundial. Esta é a primeira vez em nove anos que há outra empresa além da Samsung ou da Apple a comandar o negócio.

A Canalys detalha ainda que a crescente tensão comercial entre a China e os Estados Unidos está a prejudicar as vendas internacionais da Huawei, que recuaram 27% no segundo trimestre, enquanto o domínio no mercado interno é cada vez maior: mais de 70% dos smartphones vendidos pela marca foram no mercado doméstico.

De acordo com Ben Stanton, analista senior da Canalys, trata-se de um resultado que não era previsto e que ressoltou da situação pandémica.  "Se não fosse pela COVID-19, não teria acontecido", diz, explicando que a Huawei soube aproveitar a recuperação da economia chinesa para fortalecer o seu negócio. Já a Samsung tem uma presença pouco significativa na China, com menos de 1% de quota e os seus principais mercados, como o Brasil, Índia, Estados Unidos da América e Europa, continuam a lidar com surtos e confinamentos.

"Passar a liderar é muito importante para a Huawei, que tem que mostrar a força da sua marca aos consumidores domésticos, fornecedores de componentes e programadores. Tem de convencê-los a investir e irá difundir a mensagem do seu sucesso amplamente nos próximos meses", acrescenta outro analista, Mo Jia. Que adianta que será difícil à marca manter a liderança, porque alguns dos seus principais parceiros em regiões como a Europa estão cada vez mais cautelosos em relação aos equipamentos Huawei e só a força na China não será suficiente para a manter no topo, assim que a economia global começar a recuperar.^


Na sequência da guerra comercial entre Pequim e Washington


Associando-se aos governos africanos para gerir programas de vacinação em larga escala


Já enviou as notificações às gigantes americanas


Para criar um verdadeiro mercado único confiável


Liang Hua, chairman da Huawei, será keynote speaker da edição online


Subnsidiária portuguesa passa a comprar eletricidade de fontes renováveis a 100% em 2021


Bruxelas deveria criar ferramentas de intervenção eficazes


Considera que Governo e regulador deveriam apoiar players atuais


Bruxelas quer envolver todos os parceiros públicos e privados