LinkedIn corta 6% da força de trabalho com impacto do coronavírus

2020-07-22 A pandemia da COVID-19, ao impactar negativamente o emprego, provocou uma descida na procura dos serviços de recrutamento do LinkedIn. Resultado: a rede profissional anunciou um corte de 960 postos de trabalho, o equivalente a 6% da sua força de trabalho, a implementar globalmente nas áreas de vendas e de contratação.

Tendo em conta que a rede profissional ajuda empresas e trabalhadores a encontrarem-se, o facto de haver neste momento muito poucas organizações a contratar pessoas impactiu negativamente as suas operações, como explica o CEO do LinkedIn, Ryan Roslansky, num post a anunciar os cortes.

"O nosso negócio de soluções de talento continua a ser impactado, pois há muito menos empresas, incluindo a nossa, a precisarem de contratar o mesmo volume que contratavam anteriormente", explicou.

A Microsoft comprou o LinkedIn por 26,2 mil milhões de dólares em 2016, na que foi a sua maior aquisição de sempre.  Em fevereiro, o LinkedIn representava quase 6% da receita total da tecnológica e era um dos negócios que mais crescia. Mas no seu mais recente relatório, a Microsoft alertava para a desaceleração nos gastos com publicidade no LinkedIn durante as últimas semanas do trimestre, quando o coronavírus começou a impactar os negócios em todo o mundo.

A rede profissional vai começar a concentrar-se nas vendas online, em vez das vendas presenciais, com um novo foco na sua loja virtual. Uma abordagem de canal online que, segundo o seu CEO, "permitirá dar uma melhor resposta aos milhões de pequenas empresas que precisarão do LinkedIn durante esta pandemia e além dela".

O LinkedIn não revelou detalhes sobre quantos trabalhadores serão afetados em cada país, mas alertou que os funcionários que serão demitidos na América do Norte, Brasil e Ásia-Pacífico serão notificados nas próximas 24 horas e permanecerão na empresa até 21 de agosto. No Dubai, também serão notificados entre esta terça e quarta-feira, embora os contratos terminem a 29 de setembro. Já no Reino Unido, Irlanda e Austrália, iniciou-se um processo de consulta para aferir quantas posições poderiam ser afetadas. Os trabalhadores na França, Suécia e Espanha receberão a notificação em agosto, enquanto os da Itália em setembro.

A empresa diz ainda que nos Estados Unidos continuará a fornecer seguro de saúde a trabalhadores demitidos por 12 meses, enquanto em outros países o suporte será reduzido para seis meses através de planos personalizados ou pagamentos em dinheiro equivalentes.

Na sequência da guerra comercial entre Pequim e Washington


Associando-se aos governos africanos para gerir programas de vacinação em larga escala


Já enviou as notificações às gigantes americanas


Para criar um verdadeiro mercado único confiável


Liang Hua, chairman da Huawei, será keynote speaker da edição online


Subnsidiária portuguesa passa a comprar eletricidade de fontes renováveis a 100% em 2021


Bruxelas deveria criar ferramentas de intervenção eficazes


Considera que Governo e regulador deveriam apoiar players atuais


Bruxelas quer envolver todos os parceiros públicos e privados