Uber dá 2,65 mil milhões pela concorrente da Uber Eats

2020-07-07 Depois de ter perdido a corrida à compra da Grubhub pela europeia Just Eat Takeway, a Uber anunciou a aquisição da Postmates, uma rival da Uber Eats nos Estados Unidos, pela qual vai dar 2,65 mil milhões de dólares. É mais um capítulo na guerra que se parece ter instalado no negócio mundial de entrega de comida. A Uber vai manter a app da Postmates, mas pretende proceder à integração das operações tecnológicas e de entregas das duas empresas.

"A Uber e a Postmates acreditam que as suas plataformas podem fornecer muito mais do que apenas entrega de alimentos, podem ser uma parte extremamente importante do comércio e das comunidades locais, sobretudo em crises como o COVID-19. À medida que mais pessoas e mais restaurantes passaram a usar nossos serviços, as reservas do segundo trimestre na Uber Eats aumentaram mais de 100% em termos anuais", disse Dara Khosrowshahi, CEO da Uber, em comunicado.

No anúncio da compra, a Uber considerou o negócio da Postmates como "altamente complementar" ao da Uber Eats, que têm diferentes focos geográficos e segmentos de mercado. Para o Uber, o negócio da Uber Eats tem sido uma boa notícia, no meio de uma operação complicada que se tornou ainda mais crítica nos últimos meses, com a pandemia do COVID-19. Nos seus últimos resultados trimestrais, o negócio da Uber Eats cresceu 52% e conseguiu compensar o grande declínio nas receitas da Uber, uma vez que o transporte de passageiros praticamente desapareceu, enquanto a entrega de comida disparou, com as pessoas em confinamento.

Fortuna pessoal já ultrapassa os 100 mil milhões de dólares


Por temer reforço da posição na publicidade online da tecnológica


Foi a única fabricante a subir vendas dos smartphones


Gigante prepara operação para a maior procura até final do ano


Gigante tem 3,14 mil milhões de utilizadores mensais nas suas plataformas


Apesar das vendas terem recuado pela 1ª vez em 16 anos


Tecnológica fatura 128 milhões de euros anualmente


Depois de Donald Trump ter admitido proibir a operação da rede social no país


Big tech foram inquiridas sobre as suas práticas no mercado