Vodafone funde operação na India com Idea

2017-03-20 Depois de semanas de negociações, a Vodafone India e a Idea Cellular chegaram a acordo para fundir as suas operações, numa parceria avaliada em 23,2 mil milhões de dólares (21,57 mil milhões de euros). O objetivo é ganhar escala para poder competir no mercado, criando um dos maiores operadores do mundo, com quase 400 milhões de subscritores.

A entidade que resultará da fusão será a maior do mercado indiano, com 395,2 milhões de clientes, de acordo com os dados da entidade reguladora daquele país (TRAI), ficando à frente da atual líder Bharti Airtel, com 265,9 milhões de clientes. Espera-se, no entanto, que seja necessário alienar algumas operações para garantir a aprovação dos reguladores à operação.

A Vodafone e a Idea esperam que o acordo permita gerar 10 mil milhões de dólares de sinergias de custos e de capex, depois da integração, com poupanças de 2,1 mil milhões no quarto ano após a conclusão da operação.

“A companhia que resultará da combinação terá a escala necessária para assegurar a escolha dos consumidores num mercado competitivo e para expandir as novas tecnologias – como os serviços monetários móveis - que têm potencial para transformar o dia a dia dos consumidores”, diz o CEO da Vodafone CEO, Vittorio Colao.

A escala e as sinergias tornaram-se fundamentais para os operadores indianos, depois de em setembro a Reliance Jio ter lançado um serviço de voz e dados gratuito em todo o país. O operador começará a cobrar pelos serviços em abril, mas serão extremamente competitivos. Por isso, considera-se inevitável a consolidação do setor, à medida que as sinergias de custos e de redes serão cada vez mais criticas parta garantir o negócio, tendo em conta que a guerra de preços vai continuar. Aliás, a Reliance Communications está em processo de fusão da sua área móvel com a Aircel. E a Telenor vai sair do mercado, depois de ter acordado em fevereiro a venda da sua operação à Bharti Airtel.

O acordo agora alcançado prevê que a Vodafone fique inicialmente como o maior acionista individual, com 45,1% da nova empresa.  Idea Cellular parent O Aditya Birla Group fica com 26% e os demais acionistas da Idea com 28,9%. A Aditya Birla tem, contudo, o direito de comprar mais ações à Vodafone para ficar com a mesma posição desta. Se as posições dos dois acionistas maioritários ao ficarem iguais nos primeiros quatro anos, A Vodafone terá que vender uma parte das ações que detém nos 5 anos seguintes, matendo os mesmos direitos de voto da Aditya Birla.

Antes da conclusão da operação, Vodafone e Idea pretendem vender os respetivos ativos em torres, A Idea venderá ainda os 11,5% que detém no negócio de torres da Indus Towers, empresa onde a Vodafone detém 42% do capital. E a Vodafone analisará as opções estratégicas para esta posição, desde a venda total à parcial.  Espera-se que a operação esteja concluída durante o ano de 2018.

2017-09-22 | Atualidade Nacional

Operador do serviço universal terá que aplicar novas regras já em outubro


2017-09-22 | Atualidade Nacional

Sentido provável de decisão do regulador setorial


Poderia afetar 2 mil milhões de utilizadores à escala global


Objetivo é agilizar mudanças no mercado mundial


2017-09-19 | Breves do Sector

Parceria responde às mudanças no panorama de segurança


2017-09-19 | Breves do Sector

Para otimizar as suas aplicações e serviços