Cofina dispara lucros com CMTV e reestruturação

2018-07-27 A Cofina apresentou resultados líquidos de 2,64 milhões de euros no primeiro semestre, o que representa um crescimento de 268% face ao mesmo período de 2017. As receitas subiram 2,1%, para 45 milhões, graças ao aumento das receitas da televisão e aos resultados do processo de reestruturação, que contribuiu para o reforço da rentabilidade no negócio da imprensa.

O grupo que detém, entre outros, o Jornal de Negócios, Sábado, Record, Correio da Manhã e a CMTV, viu os custos operacionais decresceram 1,2% no semestre, para 37,9 milhões de euros. O EBITDA foi de 7 milhões de euros, que corresponde a um crescimento de 24% (excluindo os custos de reestruturação não recorrentes incorridos no período homólogo do ano passado). Em 30 de Junho, a dívida líquida nominal era de 47,3 milhões, menos 2,7 milhões que o registado em março.

Apesar da subida de 2,1% nas receitas operacionais, a Cofina viu as receitas de circulação recuarem 6,9% no semestre, para 21,2 milhões de euros, e as receitas de publicidade caírem 6%, para 13,6 milhões. O crescimento de quase 50% nas receitas de produtos de marketing alternativo, para 10 milhões de euros, compensou essas perdas.

O grupo destaca no comuncado à CMVM o “excelente desempenho do segmento de televisão, a CMTV, e os resultados do processo de reestruturação, que se estão a materializar no crescimento da rentabilidade do segmento de imprensa”. E o facto de, apesar das receitas de circulação e de publicidade terem registado decréscimos de 7,4% e de 3,3%, respetivamente, as receitas de produtos de marketing alternativos e outros, onde se incluem os fees de presença nas plataformas de cabo da CMTV, terem apresentado um crescimento de cerca de 43%.

2019-03-22 | Atualidade Nacional

Em parceria com NOVA, Politécnico do Porto, Inesc e Beta-i


Serviços comerciais têm lançamento para início de abril


2019-03-25 | Breves do Sector

Stadia poderá chegar no final do ano a alguns mercados


2019-03-25 | Breves do Sector

Para transformar operações e reduzir custos