Impresa de regresso aos lucros em 2018

2019-03-01 O grupo de media conseguiu no ano passado sair do vermelho e regressar aos lucros. Mesmo com um impacto de 2,1 milhões de euros de custos de reestruturação. Para 2019, a meta é a melhoria dos resultados operacionais, redução da dívida e venda de ativos não estratégicos.

No exercício de 2018, a Impresa registou resultados líquidos de 3,1 milhões de euros. Um ano antes, teve perdas de 21,6 milhões. As receitas ficaram nos 172,2 milhões, menos 2,2% face ao ano anterior, alcançando o EBITDA os 18,1 milhões, uma subida de 21%., já que o recuo das receitas foi compensado pela redução em 4,4% nos custos operacionais, que ficaram nos 154 milhões.

Em termos de receitas, a publicidade gerou 11,9 milhões de euros ao grupo, mais 0,3% que no ano anterior, enquanto a subscrição de canais caiu 6,2% e as receitas de circulação 2,9%. Já o publishing viu as receitas subirem 2,6%, para 24,3 milhões. As receitas de televisão recuaram 5,5%, para 145,3 milhões.

Na apresentação dos resultados, o CEO do grupo, Francisco Pedro Balsemão, lamentou o facto da Impresa ter sido obrigada a constituir provisões de 2,2 milhões de euros - reduzindo por essa via os lucros em 41,5% - por determinação da Autoridade Tributária. Em causa está a concretização da venda do negócio das revistas à Trust in News, em janeiro de 2018, operação onde a AT considera haver mais-valias. Já a impresa discorda.

A dívida líquida da dona da SIC e do Expresso subiu 0,4%, para 179,2 milhões de euros, o que é justificado pelo financiamento do projeto de expansão do edifício Impresa, em Paço de Arcos, e do investimento em tecnologia nos novos estúdios.
 

2019-03-22 | Atualidade Nacional

Em parceria com NOVA, Politécnico do Porto, Inesc e Beta-i


Serviços comerciais têm lançamento para início de abril


2019-03-25 | Breves do Sector

Stadia poderá chegar no final do ano a alguns mercados


2019-03-25 | Breves do Sector

Para transformar operações e reduzir custos