Livro de Reclamações Eletrónico alarga a grande distribuição, hotelaria agências de viagens

2018-07-03 Já avançou a segunda fase de implementação do Livro de Reclamações Eletrónico (LRE), com o seu alargamento a setores cuja atividade é fiscalizada pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE): grande distribuição, hotelaria e agências de viagens. No 1º anoi do projeto, houve quase 50 mil reclamações, com as comunicações a liderar.

Tendo em conta o elevado número de setores de atividade económica e, consequentemente, de agentes e de estabelecimentos, envolvidos nesta segunda fase de implementação do projeto, o Governo vai desenvolvê-la de forma faseada, até 30 de junho de 2019.

O objetivo é garantir um período de adaptação que permita aos operadores económicos, especialmente os que ainda não se encontram a operar em ambiente digital, a integração na plataforma que passa a disponibilizar uma ferramenta de gestão das reclamações e de acompanhamento das reclamações por parte dos consumidores.

Esta segunda fase surge depois de um ano de implementação do formato eletrónico do Livro de Reclamações para os serviços públicos essenciais de água, eletricidade, gás natural, comunicações eletrónicas e serviços postais.
Neste primeiro ano, foram apresentadas quase 50 mil reclamações. O maior número verificou-se nos sectores regulados pela ANACOM (35.326), seguindo-se a ERSE (12.391) e a ERSAR (1.573). Registaram-se ainda 4.716 pedidos de informação.

"Estão a ser cumpridos os prazos definidos para este projeto e tem sido feito um grande trabalho para assegurar que o alcance do Livro de Reclamações Eletrónico é cada vez maior, sendo esta mais uma das iniciativas tomadas pelo Governo para o reforço da defesa dos direitos dos consumidores", destaca Paulo Alexandre Ferreira, Secretário de Estado Adjunto e do Comércio em comunicado do Ministério da Economia.

Para o governante, “fazemos um balanço muito positivo do primeiro ano de funcionamento desta ferramenta, que tem funcionado sem qualquer problema, e realçamos a forte adesão por parte dos consumidores".

A participação ativa da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) e do Turismo de Portugal nos trabalhos desenvolvidos pela Direção-Geral do Consumidor (DGC) e da Imprensa-Nacional Casa da Moeda (INCM), parceiro tecnológico do projeto, foi fundamental no desenvolvimento desta nova fase do LRE.

2018-11-15 | Atualidade Nacional

Clientes de 4G crescem mais de 28%


Para responder ao pico de compras do Natal


Negócio deverá estar concluído no 1º semestre de 2019


2018-11-15 | Breves do Sector

Para simplificar o dia a dia das famílias portuguesas


2018-11-12 | Breves do Sector

Parceria para o segmento empresarial