Net.mede triplica número de testes no 2º trimestre

2020-09-11 Entre abril e junho de 2020 foram realizados 512 mil testes à velocidade da internet com o NET.mede, quase 80% acima do número registado no 1º trimestre, o que corresponde a uma média de 5628 testes diários. Face ao período homólogo, o número de testes realizado mais que triplicou, o que é explicado pela maior utilização da internet, na sequência da declaração da pandemia e do estado de emergência, com o disparar do teletrabalho e ensino online.

Dos testes realizados, 71% incidiram em acessos fixos nacionais de clientes residenciais e 22% em acessos móveis. Os restantes vieram de acessos identificados como não residenciais (6%), associados a operadores estrangeiros (0,1%) ou indefinidos (1%). O período da tarde foi o momento preferido para a realização dos testes, tanto em acessos fixos residenciais como móveis, com maior incidência entre as 15 e as 19 horas, enquanto no período homólogo havia sido entre as 19 e 23 horas, o que poderá resultar do teletrabalho e do ensino à distância.

De acordo com a Anacom, os testes foram realizados praticamente em todo o País. Dos 308 concelhos de Portugal, 306 concelhos registaram testes de velocidade em acessos fixos residenciais e 297 concelhos em acessos móveis. Mas as regiões da Área Metropolitana de Lisboa e Norte registaram o maior número de testes no caso dos acessos fixos, e as regiões Centro e Norte no caso dos acessos móveis. Lisboa foi o concelho com o maior número de testes à velocidade.

No que respeita às velocidades do acesso à internet medidas, verifica-se que em metade dos testes efetuados no NET.mede se registou uma velocidade de 45 Mbps ou mais nos acessos fixos residenciais e de 7 Mbps ou mais nos acessos móveis, no download; e de 21 Mbps ou mais nos acessos fixos residenciais e 5 Mbps ou mais nos acessos móveis, no upload.

Por regiões, a Madeira apresentou os melhores resultados nos acessos fixos, tanto no download (74 Mbps), como no upload (39 Mbps) medianos medidos, seguida dos Açores no download, com 68 Mbps, e da região Centro no upload, com 29 Mbps. O Alentejo registou o valor mais baixo para ambos os parâmetros, com 34 Mbps e 19 Mbps, respetivamente.

Registaram-se 105 concelhos (34%, num total de 306 concelhos com testes associados) com um download mediano superior a 50 Mbps. Em termos de upload, 53 concelhos (17%) obtiveram um valor mediano superior a 50 Mbps.

Nos acessos móveis, ao nível do download, a Região Autónoma dos Açores apresentou o melhor resultado mediano (14 Mbps), seguida da Região Autónoma da Madeira com 11 Mbps. A região Norte registou o valor mais baixo (6 Mbps). No upload, destacou-se a Região Autónoma dos Açores com um valor mediano de 12 Mbps, sendo os resultados muito similares entre as restantes regiões.

Observaram-se 76 concelhos (26%, num total de 297 concelhos com testes associados) com um download mediano superior a 10 Mbps e 135 concelhos (45%) com um valor superior a 5 Mbps e inferior ou igual a 10 Mbps. Em termos de upload, 20 concelhos (7%) apuraram um valor mediano superior a 10 Mbps e 48 concelhos (16%) superior a 5 Mbps e inferior ou igual a 10 Mbps.

2020-10-21 | Atualidade Nacional

Envolvendo várias empresas e entidades


2020-10-20 | Atualidade Nacional

Considerando que regulador desconsiderou impactos da pandemia


2020-10-20 | Atualidade Nacional

Miguel Almeida diz que regras do leilão de 5G condenam setor “à idade das trevas”


2020-10-19 | Atualidade Nacional

Serviço abrange os três operadores com infraestrutura própria


2020-10-19 | Atualidade Nacional

Documento final deverá ser anunciado em breve


2020-10-16 | Atualidade Nacional

Por fortes índicios de mudança não autorizada de domínio sobre a MC


2020-10-16 | Atualidade Nacional

Vodafone e Altice ameaçam mesmo não concretizar investimentos em Portugal