NOS sobe receitas e número de serviços em 2017

2018-03-12 Apesar de em 2017 se ter vivido uma “intensidade competitiva anormal”, a NOS voltou a crescer em todas as frentes, com ganhos de quotas de mercado, receitas e lucros. O que permite à administração propor um dividendo de 30 cêntimos por ação, a aprovar na próxima assembleia-geral, agendada para maio. Para este ano, o grupo pretende acelerar os investimentos em infraestruturas.

As receitas cresceram 3,1% face a 2016, fixando-se em 1,562 mil milhões de euros, num reflexo do aumento do número de serviços em 3,7%. Com um EBITDA de 580,6 milhões de euros, mais 4,3% que um ano antes, o grupo conseguiu um resultado líquido consolidado de 124 milhões de euros, graças ao contributo positivo de 22,8 milhões das empresas associadas. O resultado líquido antes de resultados de empresas associadas e joint-ventures e interesses não controlados apresentou um crescimento de 5,6%, fixando-se em 101,3 milhões de euros.

São resultados que para Miguel Almeida, CEO da NOS, mostram um “excelente desempenho”, graças ao reforço continuo do investimento em inovação, redes de nova geração e em serviços cloud. O CAPEX total foi no ano passado de 380,6 milhões de euros. Isto apesar de 2017 ter sido “muito desafiante", vivendo-se mesmo uma “intensidade competitiva anormal”.

“Em 2018, vamos acelerar ainda mais os nossos investimentos em infraestrutura, nomeadamente na modernização das redes de acesso com tecnologias de última geração, prosseguindo o caminho de melhoria continua da qualidade do serviço que prestamos aos nossos clientes. A NOS tem tido e quer ter um papel ainda mais relevante na transformação digital da sociedade portuguesa e na competitividade das empresas nacionais”, acrescenta.

Em termos operacionais, a NOS ficou com um total de 9,412 milhões de serviços, com adições líquidas de 334,9 mil face ao final de 2016.  Foi o 16º trimestre consecutivo de crescimento. No móvel, tinha 4,673 milhões de subscritores móveis atingiu, com 217 mil adições líquidas, e na tv por subscrição 1,617 milhões de clientes, mais 1%. Também nos serviços de banda larga fixa e telefone fixo, os reforços forma de 5,4% e 1,9%, para 1,333 milhões e 1,758 milhões, respetivamente. Já no segmento empresarial, ganhou 40,8 mil serviços, atingindo 1,459 milhões de serviços.

A empresa terminou o ano com um total de 4,084 milhões der casas passadas com cobertura de rede fixa de nova geração. face aos 3,764 milhões de 2016. Num ano, aumentou a cobertura em 320,2 mil casas.

Nos negócios de Cinema e Audiovisuais o número de bilhetes vendidos situou-se em 9,451 milhões, um acréscimo de 3,9% face a 2016. As receitas da área de audiovisuais verificaram um ligeiro aumento de 0,3%, para 71,8 milhões de euros, enquanto na área de cinema se registou um aumento de 5,1%, para 63,3 milhões de euros, com a abertura de novas salas de cinema e do sucesso do formato IMAX.
 

2018-11-15 | Atualidade Nacional

Clientes de 4G crescem mais de 28%


Para responder ao pico de compras do Natal


Negócio deverá estar concluído no 1º semestre de 2019


2018-11-15 | Breves do Sector

Para simplificar o dia a dia das famílias portuguesas


2018-11-12 | Breves do Sector

Parceria para o segmento empresarial