Ericsson revela visão para dispositivos móveis IoT

2019-01-31 A Ericsson apresentou a sua visão dos próximos passos na evolução dos dispositivos móveis IoT, lançando em paralelo novas soluções que vão permitir aos fornecedores de serviços abordar de forma mais abrangente o mercado. Assim, introduziu uma rede de banda larga IoT, a IoT na automação industrial como novos segmentos, para além de uma rede massive IoT e critical IoT e novas soluções de banda larga nas redes LTE existentes, para permitir responder a necessidades de utilização avançadas.

A fabricante considera que a evolução dos dispositivos móveis IoT terá quatro segmentos de mercado: Massive IoT; Broadband IoT; Critical IoT e Industrial Automation IoT. Dois destes segmentos são novos - banda larga IoT e IoT de automação industrial.

A banda larga IoT adota recursos de banda larga móvel para IoT e suporta taxas de dados elevadas e latências mais baixas do que a Massive IoT. Já a Automação Industrial IoT permitirá aplicações avançadas de automação industrial com requisitos de conectividade extremamente exigentes.

Em linha com a sua visão de dispositivos móveis IoT, a Ericsson lançou funcionalidades otimizadas para o Massive IoT e novas soluções para banda larga IoT. Um exemplo da otimização do Massive IoT é o alcance de célula estendida NB-IoT de 100 km, que estende o limite baseado em padrões de cerca de 40 km a 100 km através de atualizações de software sem alterações nos dispositivos NB-IoT existentes. Esta possibilidade permite gerar oportunidades na conectividade de IoT em áreas rurais e remotas, particularmente para monitorização de logística, agricultura e meio ambiente. A Ericsson implementou ligações de dados NB-IoT de até 100 km com a Telstra e a DISH.

As soluções banda larga IoT que estão a ser lançadas incluem deteção de drone e controlo de link, partilha de rede de acesso de rádio (RAN), Advanced Subscriber Group Handling e Multi-Gigabit LTE para taxa de transferência de dados de 2Gbps e latência de 10 milésimos de segundos. As novas soluções permitirão uma ampla gama de casos de utilização em automóveis, drones, AR / VR, wearables avançados, fabrico inteligente e utilities inteligentes.

“Os dispositivos móveis IoT estão a transitar da adoção inicial com o Massive IoT para um lançamento global. Atualmente estamos a descrever ‘e o que vem a seguir?’ junto dos nossos clientes e de que forma é que eles podem tirar o máximo retorno dos seus investimentos em 4G e 5G na mesma rede e abordar casos de uso de IoT mais avançados em todos os setores”, diz Fredrik Jejdling, vice-presidente Executivo e responsável de Networks da Ericsson.

O conceito de evolução do grupo descreve de que forma os dispositivos móveis IoT  podem ser transferidos dos casos de utilização mais básicos do Massive IoT, como rastreamento de ativos e medição inteligente, para casos de uso cada vez mais sofisticados habilitados pela Banda Larga IoT (como o infotainment em carros, AR/VR, drones e wearables avançados) - e, em seguida, por Critical IoT (como veículos autónomos) e Automação Industrial IoT (robótica colaborativa em produção).

Esta abordagem gradual tornará mais fácil para fornecedores de serviço combinar as capacidades dos dispositivos móveis IoT com casos de uso atuais e futuros, continuando a otimizar as redes LTE enquanto se prepara para 5G. Com o uso eficaz de técnicas como a divisão de rede, os fornecedores de serviços podem oferecer suporte a todos os quatro segmentos numa única rede, permitindo que otimizem os seus ativos e aproveitem as oportunidades de receita nos diferentes setores.

O Ericsson Mobility Report antecipa que o número de conexões celulares IoT deva atingir os 4,1 mil milhões em 2024, com uma taxa de crescimento anual de 27%.

2019-04-18 | Atualidade Nacional

Na sequência da posição tomada pelo regulador


2019-04-18 | Atualidade Nacional

Anacom ficará com responsabilidade sobre o serviço informativo 118


Rede social estreia-se hoje na Wall Street


Suíça é o primeiro país da Europa a disponibilizar serviços


2019-04-15 | Breves do Sector

Sistema de gestão de tráfego aéreo não tripulado poderá reduzir as emissões de CO2 até 25%


2019-04-10 | Breves do Sector

Através da automatização de processos nos vários setores industriais