Incêndios: MEO não cobra três meses aos clientes

2017-11-02 Depois da Anacom ter recomendado às operadoras a não cobrança de mensalidades de telecomunicações aos clientes afetados pelos incêndios, a MEO anunciou que não vai cobrar durante três meses os serviços prestados. Já a Vodafone está a avaliar as situações caso a caso e admite suspender alguns contratos.

As posições dos dois operadores foram adiantadas à Lusa. A marca da PT adiantou que durante 3 meses, vai “inibir a faturação dos serviços fixos prestados aos clientes residenciais e empresariais” afetados pelos incêndios, assim como “inibir a penalização no caso de desligamento”.

Para implementar estas medidas, já “solicitou às autoridades competentes a identificação das vítimas, das pessoas desalojadas e das empresas com instalações destruídas pelos incêndios, aguardando a receção da mesma com urgência, para evitar situações indevidas de faturação ou penalização”.

No caso da Vodafone, garante que “tem agido de forma flexível com os seus clientes impactados pelos incêndios, tal como sempre faz”.  “Sempre que confrontada pelos clientes, na grande maioria empresariais com serviço fixo, tem mostrado abertura e flexibilidade para colaborar na procura de soluções para cada caso, consciente do momento difícil e de algumas situações dramáticas vividas por esses clientes”, adianta.

Esclarecendo que entre as soluções estão a suspensão dos contratos, a cessação dos mesmos sem penalização associada e/ou a reformulação de condições dos mesmos para fazer face à nova realidade do cliente. Já a NOS não comentou.

2018-05-25 | Atualidade Nacional

Para o desenvolvimento de competências em gestão de informação


2018-05-25 | Atualidade Nacional

Multinacional francesa lança iniciativa de captação internacional


Por violação de patentesda marca da maçã


Europeus têm mais controlo sobre recolha e utilização de dados pessoais


2018-05-25 | Breves do Sector

Para ajudar a implementar o Regulamento Europeu de Proteção de Dados


2018-05-21 | Breves do Sector

Incluem o conversível empresarial mais pequeno do mundo