iTGROW e ISEC lançam programa de reconversão profissional

2017-12-11 Este programa visa canalizar indivíduos desempregados para um segmento de mercado com elevados níveis de empregabilidade à escala global e que se irão prolongar no tempo. Os 24 candidatos a selecionar para este programa serão, depois da fase letiva, integrados num estágio remunerado com a duração de 9 meses, nas empresas que apoiam o ‘APOSTAR em TI’. 50% destes formandos têm já estágio garantido na CRITICAL Software, uma das empresas parceiras do novo Programa.

A iTGROW, empresa participada equitativamente pelo Banco BPI e pela CRITICAL Software e que aposta na formação de desenvolvimento de competências na área de informática, anunciou uma parceria com o ISEC (Instituto Superior de Engenharia de Coimbra), para o lançamento de um novo programa de reconversão profissional designado de ‘APOSTAR em TI’.

A decorrer entre fevereiro de 2018 e maio de 2019, o APOSTAR em TI destina-se a desempregados que tenham frequentado um curso superior, que possuam apetências para as áreas da Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática (CTEM) e que estejam motivados para a reconversão das suas competências para o segmento da programação de sistemas embebidos, uma área com elevados índices de empregabilidade a nível mundial.

"Este novo programa que estamos a lançar hoje, foi motivado pela escassez crescente de mão de obra no setor das TI e pelo facto dos programadores se contarem entre as 8 profissões que irão ter os níveis de empregabilidade mais elevados até 2020. Adicionalmente, na área da programação, o segmento dos sistemas embebidos é o que regista maior crescimento em todo o mundo," afirma João Cunha, professor no Departamento de Engenharia Informática no ISEC e coordenador pedagógico do APOSTAR em TI.

"A recente crise económica tornou evidente que há um número significativo de pessoas desempregadas, que possuem formação superior, mas que está desajustada das necessidades do mercado de trabalho. Estes indivíduos, que na sua maioria possuem excelentes capacidades de trabalho, encontram-se numa situação de insatisfação e podem ser direcionados para setores estimulantes e com elevados níveis de empregabilidade, como é o caso dos sistemas embebidos," acrescenta aquele responsável.

As inscrições do APOSTAR em TI já estão abertas e irão prolongar-se até ao dia 15 de fevereiro de 2018. Podem candidatar-se todos os indivíduos que acreditem possuir as caraterísticas adequadas para uma carreira na área das TICE, nomeadamente: curso superior ou frequência do ensino superior; boas capacidades de raciocínio lógico, preparação matemática e afinidade/motivação para as tecnologias da informação; boas capacidades de comunicação e de trabalho em equipa; domínio da língua inglesa; maturidade e motivação para cumprir um programa muito exigente; bem como disponibilidade total para frequentar a formação e o estágio.

"O nosso objetivo é chegarmos aos 100 candidatos para dentre esses selecionarmos os 20 a 24 formandos que irão integrar o programa. Terminada a fase letiva, que irá decorrer de fevereiro a julho de 2018, os formandos terão acesso a um estágio profissional remunerado nas empresas parceiras deste projeto. A CRITICAL Software já assegurou que irá receber 50% dos formandos para estágio. A avaliação dos formandos basear-se-á na qualidade dos trabalhos desenvolvidos e apresentados," afirma Catarina Fonseca, Diretora Geral da iTGROW.

O processo de seleção dos candidatos, promovido pela iTGROW, inclui a realização de provas individuais e em grupo e de entrevistas, com o objetivo de selecionar aqueles que demonstrarem elevada capacidade para cumprir, com sucesso, as exigências do APOSTAR em TI.

O plano curricular da 1ª edição será centrado na Programação C/C++ para Sistemas Embebidos, uma área de grande procura de recursos humanos qualificados em Portugal e a nível internacional. Os custos da formação (1.950€) são suportados pelos formandos, através do pagamento de uma propina, dividida em 5 tranches, metade a ser paga no início da formação e o restante valor a ser liquidado em prestações até ao final da formação que irá durar 20 semanas. Este investimento é recuperado durante o estágio. Os formandos terão à sua disposição soluções de crédito, disponibilizadas pelas instituições financeiras ligadas ao Programa, que lhes permitirão fazer face às despesas com propinas, aquisição de computadores, ou/e à subsistência mensal durante o período letivo.

2018-01-18 | Atualidade Nacional

Na sequência das conclusões do estudo encomendado pela Anacom


Com criação de emprego e repatriamento de lucros


Para reduzir desigualdades e promover competitividade


2018-01-16 | Breves do Sector

José Calado assume parcerias globais do grupo


2018-01-16 | Breves do Sector

Disponível na app e na área de cliente